31/03/14
Papo Carreira

Carreira 360 graus

Para conseguir se diferenciar e se destacar no mercado de trabalho, o autor Célio Antunes defende que é preciso desenvolver o que chama de Visão de Ciclo Completo para mapear os diferentes cenários futuros e encontrar o caminho certo

As empresas cada vez mais buscam profissionais que consigam tirar seus projetos e metas do papel e empreender dentro da própria organização. São profissionais que, ainda que tenham muitos degraus para subir, atuam como donos da empresa, pois sentem-se como uma peça-chave para o desenvolvimento da corporação – por isso são chamados de intraempreendedores ou empreendedores corporativos.

Para desenvolver essa característica, Célio Antunes, autor do livro Carreira 360 Graus (Editora Gente, R$ 29,90), afirma que é preciso estar aberto às novas demandas e aprender a construir o que chama de Visão de Ciclo Completo (VCC). “Trata-se de um exercício mental em que você monta diferentes cenários futuros e analisa os impactos resultantes desses cenários. Tudo isso antes de colocar algo em prática”, explica.

Segundo o autor, com a VCC você terá uma visão ampla e perceberá que cada movimento e escolha que fizer irá refletir no seu futuro profissional. Conseguirá enxergar coisas importantes para construir uma base sólida para a sua carreira e terá mais embasamento para decidir se segue por um caminho ou por outro.

A VCC é um hábito e a sua base é o conhecimento – quanto mais você perceber os acontecimentos ao seu redor e a mecânica do mundo, entender a história dos países, das empresas e das pessoas, mais facilidade você vai ter em construir mentalmente os possíveis cenários futuros.

Qualquer pessoa em qualquer atividade, em qualquer momento e em qualquer lugar do mundo pode desenvolver a VCC tanto para a vida pessoal como para a vida profissional. Os momentos ideais para fazer esse exercício mental são aqueles em que você está fora da empresa, sozinho ou em uma conversa informal, quando a cabeça pode fluir à vontade. “Para mim, é parecido com um jogo de xadrez. Vou construindo as jogadas seguintes”, diz Célio Antunes.

O objetivo é entender o passado e compreender o que acontece agora para enxergar as possibilidades do futuro. Imagine que você pretende sugerir uma ideia para o seu gestor. Quando você fizer o exercício de VCC, precisa ter em mente: a visão dos interesses dos terceiros; a visão do que a empresa de fato espera de você como executivo; a visão do que o cliente realmente espera da empresa, e por aí vai. “Ou seja, você precisa olhar para todos os lados a fim de conseguir entender o seu papel naquela organização e detectar como pode ajudar a empresa a tingir os objetivos”.

Dessa maneira, você reunirá mais elementos para dar uma ideia que efetivamente atenda a todas e, ainda, mostra que você é um profissional que consegue olhar além, “simplesmente porque se dará tempo de pensar e amadurecer as ideias”, defende o autor.