Edição n° 15 - Janeiro 2011

Itaú Solidário beneficia 30 projetos sociais

Incentivar o exercício da cidadania e facilitar doações e a destinação de parte dos impostos dos colaboradores do Itaú Unibanco para projetos focados na garantia dos direitos de crianças e adolescentes. Esses são alguns dos objetivos do Itaú Solidário que destinou R$ 1.181.600,00 para 30 projetos sociais de todo país por meio dos Fundos para a Infância e Adolescência.

O valor, que foi destinado por 14.396 colaboradores do Itaú Unibanco, é 31% superior ao captado em 2009.

Os Fundos são administrados pelos Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente, que têm a atribuição, a partir de diagnóstico e plano de ação, de indicar os projetos sociais importantes para cada localidade.

Criado em 2005, o Itaú Solidário tem como objetivo mobilizar os colaboradores do Itaú Unibanco a apoiarem programas na área da infância, destinando como pessoa física até 6% do IR devido para projetos sociais indicados pelos Conselhos.

O programa está presente nas cinco regiões brasileiras por meio dos Comitês Itaú Solidário, formados por funcionários voluntários, que têm parceria com os conselhos em seus municípios. Uma das atribuições de cada comitê é “acompanhar a aplicação do recurso destinado, conforme o que foi proposto e analisado em cada projeto”, explica o coordenador do Comitê Itaú Solidário de Diadema, Marcel Fischer Uemura.

No caso do comitê de Diadema, por exemplo, antes de escolher um dos três projetos indicados pelo Conselho local, o grupo considerou diversos critérios, como as necessidades da organização social, quantidade de pessoas impactadas, solidez, viabilidade do projeto, entre outros.

“Foi uma escolha bastante difícil, pois as outras instituições também tinham projetos interessantes e que também haviam passado pelo crivo do Conselho. Após uma votação, definimos que o Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (CRAMI) seria a organização contemplada. O ponto principal para esta decisão foi o fato de o CRAMI ser uma das poucas especializadas nesse serviço em toda Diadema”, enfatizou.

De acordo com a coordenadora do CRAMI, Janaina Matarelli, o programa foi fundamental para que a ONG pudesse dar continuidade ao trabalho que desenvolve em Diadema e atendesse um número maior de famílias. “Hoje, atendemos 116 famílias, quando a nossa capacidade de atendimento era de 100. Com esta verba destinada pelos funcionários do Itaú Unibanco, atenderemos mais 20 famílias ao longo do ano, contrataremos um psicólogo e um assistente social para melhorar o atendimento e ainda será possível fornecer valetransporte para as famílias com dificuldades financeiras, para que possam dar continuidade ao tratamento”, destacou.

Para a diretora da Fundação Itaú Social, Valéria Riccomini, o aumento do número de participantes e da quantia destinada aos projetos é um reflexo da mobilização realizada com os funcionários do banco ao longo do ano. “É por meio do trabalho que desenvolvemos com os nossos colaboradores que conseguimos estabelecer parcerias sólidas com os Conselhos. Hoje, os conselheiros reconhecem a Fundação como uma aliada na causa da garantia dos direitos de crianças e adolescentes”, pontua.

A gestora do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Salvador (BA), Tatiana Araújo de Souza, concorda que a parceria com o setor privado tem contribuído muito para a execução adequada dos projetos voltados à infância. “A iniciativa da Fundação é algo muito positivo, pois sabemos que o objetivo não é apenas destinar dinheiro para projetos sociais. Quando uma empresa se aproxima dos Conselhos e das ONGs, ela mostra que está empenhada em contribuir com o desenvolvimento das pessoas”, afirma a gestora, que conta com o apoio de outras 14 empresas para investir em projetos nas áreas de cultura, lazer, educação, esporte entre outros.

Tatiana diz ainda que, hoje, “as empresas estão mais conscientes sobre a existência dos Fundos da Infância e Adolescência, mas ainda é preciso investir mais para que os fundos sejam mais sólidos e atendam com mais qualidade uma quantidade maior de projetos”, enfatiza.

Parceira da Fundação Itaú Social desde 2006, a gestora afirma que, em Salvador, já foram beneficiados quatro projetos pelo Itaú Solidário. Em 2011, a organização social que receberá parte do tributo dos colaboradores do banco será a Associação Cultural e Recreativa dos Amigos de Sussuarana, que desenvolve um programa voltado para a redução da evasão escolar em uma escola pública daquele bairro.

 

Edições Anteriores