Edição n° 23 - Setembro 2011

Leia para uma criança

Especialistas apontam a leitura como um fator importante para o desenvolvimento afetivo e cognitivo das crianças, pois é nesta fase da vida que começam a formar o repertório cultural e o vocabulário. “Infelizmente, o desenvolvimento de políticas públicas de leitura para este público ainda é tímido”. A afirmação é da diretora de educação e cultura do Instituto Ecofuturo, Christine Fontelles, que há dez anosimplanta bibliotecas comunitárias no país por meio do Projeto Biblioteca Comunitária Ler é Preciso.

Em 2009, a ONG realizou um estudo do impacto do projeto no desempenho educacional das crianças e jovens das comunidades beneficiadas. A pesquisa, realizada sob a coordenação do pesquisador do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Ricardo Paes de Barros,  apontou uma redução da evasão escolar em 46% e um aumento na aprovação dos alunos impactados de até 156%, quando comparado ao grupo que não participou do projeto.

Conforme o último levantamento realizado pelo Ministério da Cultura sobre a situação das bibliotecas públicas, dos 5.565 municípios do país, cerca de 1.152 não possuem este espaço. Além disso, só 12% dos equipamentos funcionam aos sábados e apenas 1% aos domingos. Somente 24% dos estabelecimentos abrem suas portas à noite.

Na opinião de Christine, este resultado demonstra a necessidade de se criarem estratégias que contemplem a ampliação e aprimoramento dos equipamentos públicos. “As bibliotecas deixam muito a desejar. Quando o espaço existe, o público não consegue utilizá-lo por conta do horário de funcionamento, o que dificulta ainda mais o acesso aos livros e a formação de novos leitores”, pontua.

Para superar essas questões, Christine ressalta que também é preciso criar uma intensa campanha que dissemine a cultura de ler nas famílias. “A criança aprende por espelhamento. Como ela vai aprender a ler se na sua casa o hábito não existe? Por isso, é preciso desenvolver mecanismos que facilitem o acesso aos livros, auxiliem os pais a identificar o gênero ideal para os filhos, tornando a leitura um hábito prazeroso”, afirma.

Uma forma encontrada pela Fundação Itaú Social para mobilizar a sociedade e os colaborares do Itaú em favor desse tema foi lançar uma campanha nacional que convida os adultos a lerem para as crianças.
A iniciativa tem como objetivo contribuir para uma educação de qualidade, um direito fundamental de todas as crianças e que contribui para a garantia de outros direitos.

Ao longo da campanha serão distribuídos em todo o país um milhão de Coleções Itaú de livros infantis, compostas por três livros voltados para crianças e um folheto com dicas de leitura. Os livros da coleção são: Chapeuzinho Amarelo, Adivinha Quanto eu Te amo e A Festa do Céu. Interessados em aderir à mobilização podem solicitar a coleção por meio do site www.itau.com.br/itaucrianca.

Edições Anteriores